quinta-feira, 20 de maio de 2010

E A NOVELA DA PEC 300 CONTINUA



Mais uma vez os deputados nos fazem de idiotas. Acho que pensam que só porque somos policiais não temos inteligência para analisar o que está acontecendo, por mais simples que seja. É óbvio que estão nos enganando com promessas e mantendo a esperança de muitos, pelo menos, até o término das eleições. Quem é a favor da PEC “300” e dos agentes de segurança desse país já se posicionou e é claro e evidente que quem não está a favor quer ganhar tempo e só se mostrar depois das eleições. Ontem muitos guerreiros entoaram hinos e canções, além de palavras de ordem para, digamos, incentivar a aprovação da PEC de nossos sonhos e mais uma vez a votação foi adiada. Esses deputados estão brincando com fogo, estão mexendo com a segurança pública de uma nação, agentes que, com a exceção de Brasília, estão em um estado lastimável e isso é inaceitável em um país rico como o nosso, onde um político ganha o mesmo que um político de primeiro mundo (ganha mais que um parlamentar inglês, por exemplo e tem mais regalias), onde o imposto pago supera todos os países, menos a Alemanha (levando em conta que na Alemanha o povo tem um serviço público de qualidade) e já que o país tem dinheiro para sustentar a pão-de-ló toda uma gama de políticos das mais diversas ramificações da sociedade e ainda dando a maioria um salvo conduto para qualquer tipo de delito envolvendo essa classe de pessoas. A votação da PEC foi adiada mais uma vez, como já era esperado pela maioria de nós, dessa vez foi empurrada para o próximo dia 25 (terça-feira) e sabe-se Deus se vai ou não ser votada e se for votada se vai ser finalmente aprovada. As mobilizações já começaram em todo o país, policiais indo fazer serão na porta da Câmara, policiais civis entrando em greve aqui e na Bahia, e esse barril de pólvora, que está cada vez mais cheio e perto de uma tocha chamada necessidade, está prestes a explodir e sendo o presidente em exercício na “casa”, o Marco Maia do PT-RS, tem uma grande responsabilidade do rumo que está sendo tomado para ludibriar os profissionais da área de segurança já que suspendeu mais uma vez a bendita votação, segundo notícias, por causa da “pressão” feita por parte dos colegas que lá estavam.

Vamos ficar na torcida pela a aprovação PEC 300 e já tentando analisar quem está à nosso favor e principalmente quem está contra nós.

GENUÍNO FALANDO SOBRE A PEC 300


As propostas de emenda à constituição que criam a polícia penitenciária e um piso salarial para as polícias estaduais provocaram fortes embates na Câmara nesta quarta-feira. Policiais militares, bombeiros e agentes penitenciários lotaram as galerias do plenário pedindo a aprovação das matérias. Em diversos momentos, os ânimos se acirraram não só nas galerias, mas também entre os deputados. Na tentativa de se buscar um acordo, a sessão foi suspensa já na madrugada, mas a decisão de se votar ou não os textos ficou para a próxima terça-feira.Autor da proposta que cria o piso salarial, o deputado Arnaldo Faria de Sá, do PTB paulista, criticou os sucessivos adiamentos da análise das propostas."Isso acaba irritando, porque os policiais militares, os bombeiros militares, os agentes penitenciários estão há mais de 70 dias nesse vai e vem, toda semana estão aqui, esperam votar, isso gera um processo de desgaste muito grande. Estão brincando com fogo."Já o deputado José Genoíno, do PT paulista, afirmou não ser possível votar um texto que, para ele, será considerado inconstitucional. Genoíno defende mudanças que viabilizem a apreciação da proposta."Nós não podemos criar um fundo automático, proque do jeito que tá a emenda, diz o seguinte: até 3 anos, quem vai pagar a diferença entre 3.500 e o que eles ganham hoje é a União. Você diz isso, mas não diz de onde virá o dinheiro. E a Lei de Responsabilidade Fiscal? Cadê a fonte? Isso dá 55 bilhões. Não dá, é inconstitucional, quebra a LRF e é inviável. A nossa proposta é muito clara. Cria o piso, o fundo na forma da lei. Podemos até dizer num prazo de seis meses, de três meses será enviada uma lei para o Congresso Nacional"A possibilidade de votação das PECs que criam a polícia penitenciária e o piso salarial dos policiais será discutida em reunião de líderes marcada para a próxima terça-feira. Na sessão desta quarta-feira, os deputados concluíram a votação da MP 472, que, entre outros pontos, cria incentivos fiscais a diversos setores da economia.
De Brasília, Mônica Montenegro

PEC300 PAUTADA E NÃO VOTADA POR MAIS UMA MANOBRA ESPÚRIA DO PT


A PEC300 foi colocada em pauta no dia 19 de maio de 2010, em seção extraordinária e não foi votado devido a uma medida regimental (manobra espúria) do Deputado Arlindo Chinaglia – PT que pediu a leitura na integra da MEDIDA PROVISÓRIA 479 obrigando a Deputada Federal Gorete Pereira – PR – Ceará, por força regimental, a ler por uma hora e quarenta e cinco minutos o texto, sendo que, o quórum se esgotou e a PEC300 não foi votada. A revolta foi geral, até por alguns parlamentares. A seção foi suspensa por volta das 23h45 e ao retomar os trabalhos foi encerrada com o compromisso de que na terça-feira (25) uma nova reunião de lideres ira definir os rumos da PEC300. Vemos o descaso com a segurança pública por parte do Deputado Arlindo Chinaglia do Partido dos Trabalhadores (PT), vale lembrar aqui uma máxima do direito “nem tudo que é legal é justo e nem duto que é justo é legal”, vamos continuar lutando por dignidade salarial e melhorias na segurança pública porque nós, Policiais e Bombeiros do Brasil, somos pessoas comprometidas com a sociedade e com a dignidade humana...!

Policiais e bombeiros cantam pela PEC 300


Rodolfo Torres
Hino Nacional e “Eu, sou brasileiro, com muito orgulho, com muito amor”. Eis a trilha sonora do início da madrugada desta quinta-feira (20) no plenário da Câmara, o que deixou parlamentares numa verdadeira "saia justa".
Centenas de policiais e bombeiros também entoaram palavras de ordem nas galerias da Câmara, como: “Polícia também vota”, “Polícia unida, jamais será vencida”, “Ô Vaccarezza, cadê você, por causa disso ninguém vota no PT”, “Ô deputado, preste atenção, nossa resposta vai ser dada na eleição”, “Ô Genoino, pode esperar, o ficha limpa te pegar”, e até mesmo “Fora Dilma”.
Tudo isso como forma de pressionar a Casa a votar da PEC 300. A proposta cria o piso salarial provisório a policiais e bombeiros militares de R$ 3,5 mil e R$ 7 mil - para praças e oficiais, respectivamente.
Diante da pressão, o presidente em exercício da Casa, Marco Maia PT-RS), afirmou que uma reunião de líderes na próxima terça-feira (25) terá a PEC como “item número um”. Logo após, encerrou a sessão.
A manifestação dos policiais provocou a suspensão da sessão antes da meia noite por parte de Maia. Ate então, deputados ainda teriam de analisar uma medida provisória para retomar a votação da PEC 300.
Para que o primeiro turno de votação da matéria seja concluído, deputados terão de analisar quatros destaques que, na prática, desfiguram a proposta. Após essa fase, a matéria terá de passar por outro de votação para, a partir de então, seguir ao Senado.

PEC 300 - NÃO HOUVE VOTAÇÃO.

Exatamente neste momento, às 00:56 horas, dia 20 MAI 2010, o presidente da sessão na Câmara dos Deputados encerrou os trabalhos, sem que a Emenda Aglutinativa 1/2010 fosse votada.
Foi programada para terça-feira, dia 25 MAI 2010, na parte da tarde, uma reunião com os líderes dos partidos para que seja feito um acordo para a votação da matéria.
Parabéns aos Policiais e Bombeiros Militares que se deslocaram para Brasília e acompanharam todos os trabalhos, exercendo a pressão que a democracia permite.
Salvo melhor juízo, a bola está conosco, Policiais Militares, Bombeiros Militares e Policiais Civis de todo o Brasil. Penso que temos que realizar atos públicos de repúdio a forma como a base governista está tratando as centenas de milhares de profissionais da segurança pública de todo o Brasil e isso deve ocorrer antes do dia 25 MAI 2010.